PSICOTERAPIA
HOMEOPATIA
MEDICINA SOMA-ETÉRICA
 
TERAPIA

Será que vale a pena fazer terapia?
Conversar com uma pessoa disponível e treinada para me ouvir pode me ajudar?
A resposta destas perguntas é a mesma: depende.
Depende da disposição que temos em sermos sinceros conosco e permitir que outra pessoa possa se aproximar emocionalmente de nós. Depende de podermos nos interessar e nos relacionar de modo verdadeiro com esta pessoa, o terapeuta.
Com toda certeza fazer terapia não é uma tarefa fácil. É necessário superar muitas dificuldades pessoais: fantasias, timidez, medo, desconfiança, negação, postergação. Se nós somos capazes de lidar com estes sentimentos, já temos um bom começo e a terapia já está ajudando.
A terapia é o encontro de duas pessoas. São duas pessoas, e não apenas uma em busca da ajuda de um técnico treinado, como muitos pensam. São duas pessoas, ambas imperfeitas e com seus sentimentos, encontrando-se com o objetivo definido de ajudar uma delas, com problemas neste momento.
A relação terapêutica, se ela é verdadeira, sempre beneficia emocionalmente ambas as partes envolvidas nela. Ao contrário do que se pensa, a ligação emocional é necessária para que o processo seja efetivo.
Um terapeuta sempre se apega aos seus pacientes. Como seria possível o contrário? Para entender uma pessoa em sofrimento é necessário sentir além de ouvir. E é através de um relacionamento autêntico que os ajuda a enfrentar e superar crises.
Pessoas com dificuldades em estabelecer relações sinceras e intensas terão muita dificuldade em se beneficiar do processo terapêutico, por melhor e mais sincero que o terapeuta seja.
Com o passar do tempo, estes encontros, inicialmente cercados de tensão e ansiedade, passam a ser prazerosos e preenchidos por intimidade, afeto e cumplicidade. Só assim estas duas pessoas podem, juntas, lidar com aspectos dolorosos da vida de uma delas.
Terapia é uma relação especial e só pode ocorrer com o terapeuta certo para cada pessoa. Assim como escolhemos as outras pessoas que nos cercam, igualmente o terapeuta tem que ser eleito por afinidades. Isto se descobre em pouco tempo e deve ser conversado.
Terapia não é mágica e nem resolve todos os problemas. É o início de uma vida mais consciente e que pode, pelo autoconhecimento, se revelar uma vida com mais carências.
Viver com estas carências, sobreviver a elas e não ter a ilusão de que serão preenchidas é parte da vida. Simples assim.